Quem são os Caga Leite?

Publicado em Atualizado em

Há uma quezília entre Setubalenses e os pexitos caga leite de Sesimbra, aqui vos deixo duas histórias, duas possíveis explicações.

O Peixe Espada

“Para quem conhece bem o peixe-espada, sabe que o melhor está em Sesimbra, sem qualquer dúvida, e isto, desde que existe memória.

O peixe-espada quando está gordo tem no seu interior um reservatório de gordura (parece com tripas compridas), e a gordura aí acumulada é esbranquiçada, ao ser tratado, amanhado, essa gordura escorre para o exterior, fazendo parecer que o peixe está a “cagar-leite”.

Assim, e em tempos mais remotos, sempre que uma embarcação Setubalense se deslocava para a zona de Sesimbra em busca de peixe-espada limitavam-se a informar que iam aos “caga-leite” vulgo peixe-espada.

Mas se querem realmente achicalhar um Sesimbrão basta dizer: “Ah pá soice, és tan bom, quinté amandaste prrenderr a Santa”, isto porque, numa procissão em que começou a chover torrêncialmente tiveram de abrigar a Santa no local mais próximo e esse local era… a GNR.”

O Leiteiro lá prós lados da Maça

“Há muitos anos atrás, Sesimbra, tal como Setúbal, eram localidades piscatórias. A actividade neste sector era o seu sustento económico e alimentar das várias famílias que, orgulhosamente, defendiam a qualidade do seu pescado. Dele acreditavam obter toda a fonte de nutrientes essenciais a uma alimentação saudável que os deixava preparados para os rigores da faina. Prova disso é que atravessaram no tempo com a mesma fama: povos esforçados na faina com grande qualidade e quantidade de produto. A industrialização trouxe a Setúbal novos valores em muito inspirados pela migração de povos com hábitos rurais, e desta forma também outros alimentos foram introduzidos mais abundantemente na dieta sadina. Porém o mesmo não aconteceu na vila de Sesimbra… o orgulho de um “Sesimbrão” era ser um Homem do Mar!!!! Poder-se-á dizer (e com mérito) que quem não o era, não era bom pai de família. Ora, nas zonas limitrofes de Sesimbra (Sampaio, Santana, Cotovia, Maçã…) um indivíduo, herdando uma terras, resolveu rentabilizá-las e, para além da agricultura, desenvolve também a pecuária: gado bovino.
Procurando transformar em dinheiro o seu novo produto – leite – desce á vila, fazendo crer a todos que este alimento complementa a dieta ali existente. Mas a qualidade (orgulhosamente defendida pelos moradores) rapidamente “enxotou” o vendedor de leite para a sua origem, fazendo-o acumular em stock o seu produto (digamos que ficou com tanto que “já cagava leite”). Não desistindo, este indivíduo faz mais uns quilómetros serra abaixo e vem a Setúbal, que já tendo instalada a tal população migrante, via com bons olhos a vinda do mercador!
Para o Setubalense (que nesta gíria gosto de apelidar de Charroco) o homem vinha de “Sesimbra” (zona limítrofe, mas fazer o quê?) e… lá vinha o CAGA-LEITE!
Ainda em Sesimbra (vila) o mercador indesejado, vinha de um sítio que “não pertencia” a Sesimbra… logo, localidade próxima: “VEM DE SETÚBAL”.
Instalou-se a eterna ‘quezília’ que alimenta estas discussões.
Proponho o fim dos sentimentos de ofensa, mas o perdurar destes “galhardetes” e da forma como juntos os podemos comentar e rir com eles de parte a parte.
Os de Sesimbra são PEXITOS, os de Setúbal são CHARROCOS.
Com esta verdade sabemos de onde vem o CAGA-LEITE!
(que é, caros amigos pexitos, de bem mais perto de vós do que dos charrocos, mas não alimentemos mais)”
Obrigado ao Rui por esta segunda explicação.

Nota: Nesta história não há choco frito

Peixe Espada
Anúncios

15 opiniões sobre “Quem são os Caga Leite?

    Joao disse:
    22 de Setembro de 2013 às 10:42 PM

    Isto d certeza k foi escrito por um caga-leite!

      Tóninhe respondido:
      24 de Setembro de 2013 às 1:04 PM

      Não, foi escrito por um charroco. 😉

    Ze Cojones disse:
    26 de Setembro de 2013 às 4:13 PM

    É mentira. A verdadeira história é a seguinte: Há muitos anos atrás, foram à pesca um homem de Setúbal e um homem de Sesimbra no mesmo barco. No mar, o homem de Setúbal foi em vulgo discurso “ao rabo” ao homem de Sesimbra, ficando assim a malta de Sesimbra conhecida como os caga-leites.

    Com os melhores cumprimentos
    Ze Cojones

    o justiceiro disse:
    26 de Setembro de 2013 às 7:55 PM

    De certeza que os srs de Sesimbra ainda devem estar lembrados que não foi em Setúbal que o Inglês que correu atrás de alguém e essa pessoa (Sesimbrão) para não ser novamente violado, atirou-se da fortaleza e bateu com o rabiosque na fateixa e derramou leite, dai a alcunha de caga-leite………………..

    Adelaide Coelho disse:
    27 de Setembro de 2013 às 5:12 PM

    A história do “caga -leite” não sei… Quanto à santa que foi presa na GNR, não foi bem assim. O meu avô, sesimbrense, contava que no dia da procissão do Senhor das Chagas, começou a chover muito e levaram a imagem para o actual edifício da câmara, no Largo do Município, onde na altura, estava sediada a prisão.

      Eduardo disse:
      3 de Novembro de 2013 às 6:57 PM

      Ñ mudou muito, lolol

      Joaquim Fortunato disse:
      28 de Julho de 2015 às 2:03 PM

      Essa foi a historia que ouvi da boca minha mãe mas entrou foi na porta da Câmara a prisao tinha outra porta mais pequena ao lado.

    f.guedes disse:
    27 de Setembro de 2013 às 10:28 PM

    dez que me conheco que sempre ouvi chamar aos sesimbroes ,, caga-leite,,nao sei qual a justificacao nem historia para tal nome. conheco alguns sesimbroes, e sei que sao gente boa

    ruben disse:
    28 de Novembro de 2013 às 4:38 PM

    loooool a historia abreviando, foi a seguinte, um setubalense depois de o barco atracar no porto de sesimbra, descarregaram o peixe espada para caixas como habitual, na hora de se ir embora um dos setubalenses levou para casa algum desse mesmo peixe espada para o seu jantar/almoco, mas a unica coisa que ele tinha para levar o peixe, pois ele nao cabia no balde, era uma saca de serapilheira, ao carrega-la as costas com o peixe, o peixe como deita essa gosma branca essa escorreu pela saca e pelas suas costas ate chegar ao ( rego do cu ) do individuo, a malta que viu riu-se e apelidou esse homem de setubal como o caga-leite por esse efeito, dai todos os setubalenses serem apelidados por caga leite!!! R.C.

    sininho disse:
    9 de Fevereiro de 2014 às 6:56 PM

    ñ existe Sesimbrões e sim Sesimbrenses lol

    sininho disse:
    9 de Fevereiro de 2014 às 7:02 PM

    a 2ª historia foi a que sempre conheci com poucas alterações mas o essencial está presente um bem aja a quem a escreveu

    Miguel disse:
    19 de Março de 2014 às 10:33 AM

    Tenho um colega no trabalho charroco e que diz que os se Setubal é que são caga-leite. pumbas.
    Vocês têm um desertor. 😀

    tiago disse:
    19 de Março de 2014 às 1:40 PM

    vila de sesimbra – pexitos
    zonas perifericas de sesimbra – camponeses
    setubal – caga-leites e charrocos
    😀

    jose graça disse:
    26 de Junho de 2015 às 1:25 PM

    quem escreveu isto não sabe nada da historia de Sesimbra nem da de Setúbal (os caga leites são e serão sempre os de Setúbal ou seja os CAGA LEITES

    AR disse:
    27 de Julho de 2015 às 6:09 PM

    A primeira possível explicação acaba por ser descabida uma vez que o peixe-espada preto é apanhado a 6 horas de viagem a O/SO do Cabo Espichel, e o peixe-espada branco a SO de Sesimbra e Setúbal numa elevação elevação submarina chamada de Gorringe. Aqui fica o link onde se pode ver a localização do mesmo: https://aviagemdosargonautasdotcom.files.wordpress.com/2013/01/gorringe-ii.jpg .
    Ou seja o barco de setúbal nunca iria apanhar peixe-espada a Sesimbra porque este não existe por ali porque é um peixe de profundidade. O facto de o peixe-espada largar leite por ser gordo nunca reparei apesar de ter lidado e arranjado este peixe inumeras vezes. Mas próxima vez que tiver oportunidade vou tentar confirmar.
    A segunda explicação acho pouco provavel visto ter existido nos tempos mais remotos tanta fome, que os pescadores tinham que comer gaivota e pardela para matar a fome, e iriam como diz recusar a compra de leite quando muitas das vezes nem peixe havia para comer?!
    Se estamos para possivéis histórias aqui deixo a minha que ouvi à uns bons anos através de um antigo pescador. As diferenças e guerras antigas entre Sesimbra e Setúbal sempre estiveram relacionadas com o mar e a pesca, visto ambas as localidades terem uma forte tradição piscatória. Existem relatos que todas as embarcações de pesca tinham pedras na proa, para serem arremessadas contra os pescadores que tentavam roubar os melhores locais de pesca. Ainda nos dias de hoje quase todas as embarcações possuem um par de cornos na frente da ponte do leme ou no topo do mastro porque diz a tradição que afugenta o diabo e o mau olhado trazendo sorte. Existiu um periodo de miséria e fome em Sesimbra em que esse amuleto não conseguia trazer sorte aos pescadores de Sesimbra que não conseguiam capturar peixe nenhum. Por outro lado, os pescadores de Setúbal valendo-se do estuário do sado sempre rico em pescado tinham as embarcações cheias. Diziam os antigos que eles tinham tanta sorte que mais parecia que tinham os cornos do mastro da embarcação na cabeça. É comum em Sesimbra chamar a uma pessoa com sorte de “leitosa”, mas neste caso eles tinham tanta sorte que davam-se ao luxo de cagar leite. (bem essencial e escasso para a época).
    Aqui fica mais uma possivel história para memória futura das gentes de Sesimbra e Setúbal.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s